quarta-feira, 9 de setembro de 2009

TATO...



Quando já nada é intacto
Quando tudo na vida vem em pedaços
E me esqueço de sonhar
Quando há qualquer coisa que sufoca
E os dias são iguais a outros dias
E por dentro o tempo é tão voraz
Quando de repente num segundo
Qualquer coisa me vira do avesso
E desfaz cada certeza do meu mundo



Quando (já nada é intacto)



Mafalda Veiga




Consigo quase sempre entender...

As cenas e os ocorridos são marcantes,

As perguntas ficam no ar.

As respostas moram na realidade.

Minha cabeça continua pensante (ou quase)

O acaso não encontra mais seu lugar.

É tudo tão claro...

E assim deve ser.

Pé de vento,

De pensamento,

Dos momentos,


Não quero rima.


As palavras por eu proferidas

Sempre irão demonstrar

Meu alto grau de insanidade.


Viverei assim


Meus complementos por ai perambulam.

Se encaixam á mim

Perpetuam meus olhares

Me trazem feições sorridentes

Sem marketing,nem placas ou reclames,

É tudo á olho nú

Nada inventado ou criado

Verdade diabólica

A preferência continua sendo a mordida!

Sem justificativas...

Doa a quem doer


2 comentários:

Marcelo disse...

"As palavras por eu proferidas
Sempre irão demonstrar
Meu alto grau de insanidade."

Essa frase me resume...

Mågø Mër£Îm disse...

Atualmente estou assim mesmo... "doa a quem doer" desde que não doa em mim... rs

Um beijo