terça-feira, 27 de janeiro de 2009

ENTÃO.....




Passa lento vapor, passa e não fiques...

Passa de mim, passa da minha vista,

Vai-te de dentro do meu coração,

Perde-te no Longe, no Longe, bruma de Deus,

Perde-te, segue o teu destino e deixa-me...

Eu quem sou para que chore e interrogue?

Eu quem sou para que te fale e te ame?

Eu quem sou para que me perturbe ver-te?

Larga do cais cresce o sol, ergue-se ouro,

Luzem os telhados dos edifícios do cais,

Todo o lado de cá da cidade brilha...


In “Ode Marítima” Alvaro de Campos, in "Poemas"


Ironias á parte,

Não sou de mover montanhas

Sou áquela que derruba penhascos,

Quem julga-se detentor,

Há muito perdeu os direitos...

São só letras embaralhadas,

Porque a poesia não precisa de papel,

Alimenta-se de desejos,

Vive de sonhos,

Permeia nossos elos,

E Tá escrita na alma.



2 comentários:

Luiz disse...

Linda a sua poesia !

Tâmara disse...

Ale, adorei ler isso!!

Bjao Lora!