quinta-feira, 12 de novembro de 2009

MAS EU AINDA PENSO...





Amor, então também acaba?

Não, que eu saiba.

O que eu sei

É que se transforma

numa matéria prima

que a vida se encarrega

de transformar em raiva

ou em rima.



(Paulo Leminski)




Tudo acaba quando tem que terminar.
A gente sempre espera o fim e esquece do começo,
Apostamos no insubstituível,
Desprezamos o inevitável...
O fato sempre prevalece!
Os atos sào essenciais.
As certezas reaparecem.
A verdade permanece.
O mito se esvanece...
Meu amor transborda.
Você consegue tudo que quiser
Eu tenho aquilo que sonho
Vivo aquilo que crio
Desenho sempre o futuro
O mirante é minha realidade
Meus frutos minhas certezas...
Minha razão de viver...
Planejo o irrefutável
E o amor ?
Ele não existe...
Ele é !
Eu sou
Nós juntos
Meu paradigma perfeito
O quebra cabeças ideal
Procurei o fácil
Me surpreendi com o difícil
Me livrei do inevitável
Fui premiada com o irreal
Querer mais...
Ah... isso já é utopia
Mas como sempre... minha.

( be continued)

Na têmpora só podia estar rolando Joss Stone.
O víideo tá aqui  JOSS STONE- SPOILED

6 comentários:

Mågø Mër£Îm disse...

A mutação do amor...rs
Raiva não. deixa virar esquecimento

beijo loira!

Marcelo Mayer disse...

haha
hj me colocam na cruz
eu não estou falando mal da música dele. e sim do ser-humano. se eu tivesse falado de jesus nada teria acontecido

e ótima citação de PL, esse maluco.
e espeor continuação

bjs

Frenética. disse...

Gostei daqui :)

Jorge Oliveira disse...

Passei pra agradecer a tua presença de ontem lá no Fluoxetina no texto da Nara.
Blog bacana! Vou seguir!
Hoje tem texto meu por lá, caso queira dar uma conferida, me inspirei no inferno do apagão que quase o país inteiro passou...rs
Abraços!

Fernanda Magalhães disse...

Te ler é um prazer quase em forma do sabor de um delicioso vinho.

Continue escrevendo.
Bjos flor!

Natacia Araújo disse...

O amor é, apenas isso.
Belo blog Alessandra!